Reunião de Humanismo em Saúde


Image

Próxima reunião

As Virtudes na Prática Profissional: Um caminho para a Humanização

Fortaleza

    28 de Novembro de 2023

19:00h

Image


Como participar

Em 3 passos simples


1

Faça sua assinatura através do link abaixo.


Saiba mais

2

Cadastre-se na Hotmart


Cadastre-se

3

Acesse a área restrita para participar da reunião de profissionalismo médico


Acesse aqui

Faça sua assinatura

Assinatura mensal

R$ 49,90 por mês

Cobrança mensal no cartão de crédito disponível

Cancele a qualquer momento dentro do período da assinatura

Comprar agoraAssinatura mensal

Mais informações

Respostas às perguntas mais frequentes


As Virtudes na Prática Profissional: Um caminho para a Humanização

Passei muitos anos defendendo que nossas escolas deveriam prestar mais atenção ao mundo no qual seus alunos estão destinados a viver. Agora me pergunto se esta corrente não assumiu força excessiva e se estamos deixando espaço para uma vida plena se despojamos o mundo dessas coisas inúteis que lhe outorgam um significado espiritual. Quer dizer, se o nosso conceito do útil não se tornou estreito demais.

Abram Flexner, 1939

Se ao progresso técnico não corresponde um progresso na formação ética do homem, no crescimento do homem interior, então aquele não é um progresso, mas uma ameaça para o homem e para o mundo (...) A situação do homem, devido à discrepância entre a capacidade material e a falta de juízo do coração, torna-se uma ameaça para ele e para a criação. 

J. Ratzinger/ Bento XVI- Spe Salvi, 2007


Humanizar a Saúde é tema cada vez mais presente e verdadeira preocupação dos Educadores na Academia, e dos Gestores nos diversos Sistemas de Saúde. A bandeira da Humanização campeia como divisa em qualquer projeto moderno de assistência à saúde. Busca-se a humanização no sistema e nos processos, medem-se parâmetros de eficiência, certifica-se qualidade, mas percebe-se que falta algo. O cliente - o paciente que sofre, o aluno que não se sente compreendido, a família que está em desamparo- não se mostra satisfeito. Gastam-se recursos abundantes nestas tentativas, mas parece que a humanização desejada não se atinge. Por quê?

Está faltando é  o fator humano. As tentativas humanizantes debruçam-se sobre os sistemas e processos, mas não envolvem as pessoas que são a interface de humanização entre a prestação de serviços e o paciente. Os processos podem ser medidos e qualificados, mas o interior das pessoas –a boa vontade, a dedicação e carinho- são qualidades que fogem a qualquer auditoria de qualidade. A vontade determinada de humanizar a saúde tem que priorizar os atores, os seres humanos, e não apenas o palco e a decoração. Projetos de humanização que não atinjam o âmago do ser humano –do profissional de saúde- transformando-o, são projetos abocados ao fracasso.

O projeto presente oferece uma resposta desafiante, incômoda e eficaz: para humanizar o sistema são imprescindíveis profissionais humanizados. Formar profissionais que prestem atenção integral ao paciente, um acompanhamento horizontalizado, quer no período de internação hospitalar, quer na assistência ambulatorial, ou quando de seu encaminhamento para internação em instituições de longa permanência. Profissionais que entendam que o paciente não está só no mundo e sua doença repercute no seu universo familiar que lhe diz respeito a considerar, porque desta família procede o maior apoio para  a superação do paciente ou o seu melhor descanso. Profissionais cientes de que o cuidado na saúde não é uma luta inglória contra a morte, mas a assistência com serenidade e fidelidade ao paciente, enquanto dele necessitar. Isto é humanização.

O presente Curso de Humanismo em Saúde, contempla a prática das Virtudes Profissionais como caminho de Humanização: primeiramente do profissional e, em consequência, da melhora do sistema de saúde. Através de reuniões mensais conduzidas pelos professores de SOBRAMFA- Educação Médica e Humanismo,  com ampla experiência docente na área, serão abordadas as virtudes necessárias para uma prática profissional de excelência, abrindo-se espaço para o debate interativo.