Artigos publicados

O impacto da Medicina de Família na graduação médica: aprendizado centrado na continuidade e atenção primária. A experiência do Ambulatório de Medicina de Família no PROMOVE

Download

Artigo publicado em 12/2010. Local de publicação: O Mundo da Saúde

Resumo

O modelo predominante na formação dos alunos ainda esta focado em disciplinas e ambientes intra hospitalares. Este modelo enfatiza o tratamento de doenças raras e resulta na falta de continuidade no acompanhamento de doenças. O que observamos frequentemente é uma fragmentação no ensino médico. De acordo com as Diretrizes Curriculares Brasileiras, o Programa de Medicina de Família do Centro Universitário da São Camilo, proporciona aos alunos um modelo longitudinal e integrativo do cuidado, que representa uma abordagem nova e inovadora o qual a continuidade é o princípio básico para realização deste programa. Inserido curricularmente para o terceiro ano da Universidade de São Camilo, o curso ocorre semestralmente na Clínica Escola – PROMOVE onde os alunos estão sob a supervisão de um Médico de Família semanalmente . Estes pacientes são agendados para a mesma dupla que o atendeu, a referência do paciente esta no aluno. Ele é o responsável pelo paciente. Os alunos dizem que se “sentem médico”, têm a oportunidade de ver os mesmos pacientes várias vezes e aprendem simultaneamente a discutir condutas clínicas e a enfatizar a relação médico-paciente, priorizando as técnicas de comunicação, habilidades essenciais para o cenário ambulatorial. Esse modelo permite que os alunos incorporem os principais valores “core values” da Medicina de Família: – a importância de ver os pacientes como um todo, o desenvolvimento de atitudes humanísticas, e a construção das relações terapêuticas. A continuidade favorece o aprendizado aos estudantes nestes aspectos, e também auxilia a superar os estereótipos que poderiam prejudicar a empatia e julgamento clínico preciso, qualidades essenciais para o desenvolvimento do profissionalismo. Os resultados preliminares deste programa devem motivar instituições que desejam desenvolver programas semelhantes. Mais estudos são necessários para avaliar o impacto a longo prazo destes programas na educação médica.