Artigos publicados

Humanismo: pré-requisito ou aprendizado para ser médico?

Download

Artigo publicado em 03/2014. Local de publicação: Revista Brasileira de Medicina

Resumo

Historicamente, seguindo uma tradição de ensino no modelo mestre-discípulo, a avaliação da personalidade sempre teve destaque no processo seletivo dos futuros médicos. Com a chegada das Universidades e, consequentemente, do desenvolvimento do conhecimento, acrescentou-se ao atributo da personalidade a capacidade de aprender e as habilidades próprias da arte médica, de modo cada vez mais científico. O modelo cartesiano, reforçado pelo progresso técnico, priorizou o conhecimento científico necessário para desenvolver uma prática médica competente, relegando a personalidade e a formação cultural mais ampla a um segundo plano. A vocação passa a ser um detalhe, de difícil avaliação nos processos seletivos, em disputas acirradas pelos candidatos. Ingressam os que mais sabem e não necessariamente os melhores, entendendo por tais os portadores de uma verdadeira vocação médica, mais compatível com a desejada medicina humanizada. Os processos de seleção de candidatos às escolas médicas têm gerado uma discussão que, sendo interessante, apresenta-se como complexa, longa, de não fácil resolução. Cabe, pois, trabalhar com os alunos que ingressam e tentar resgatar o componente vocacional em muitos deles através da formação humanística. As humanidades seriam o remédio para, de algum modo, sanar o possível "erro" de admissão, promover a veia humanística que muitos podem ter, inculcá-la em outros e lembrar a todos que o homem é o centro do esforço por tornar-se médico.