Cautela quanto às informações. E observar aquelas provenientes dos órgãos oficiais, no caso, Ministério da Saúde. É o que temos recomendado. Afinal, você lembra, por exemplo, da gripe aviária e o H1N1? Pois é, muito se falou, muitas noticias e hoje ninguém mais fala no assunto. Ainda não sabemos se é motivo para pânico. O Zika é um vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo da dengue. Cerca de 80% das pessoas infectadas não desenvolvem manifestações clínicas. Os principais sintomas são dor de cabeça, febre baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão nos olhos. Outros sintomas menos frequentes são inchaço no corpo, dor de garganta, tosse e vômitos. No geral, a evolução da doença é benigna e os sintomas desaparecem espontaneamente após 3 a 7 dias. No entanto, a dor nas articulações pode persistir por aproximadamente um mês. Não existe tratamento específico. Também não há vacina contra o vírus. O tratamento recomendado para os casos sintomáticos é baseado no uso de acetaminofeno (paracetamol) ou dipirona para o controle da febre e manejo da dor. Não se recomenda o uso de ácido acetilsalicílico (AAS) e outros anti-inflamatórios, em função do risco aumentado de complicações hemorrágicas.

Texto publicado na revista Viva Saúde